Terapia Nutricional no Paciente Crítico - Estágios de Estresse Metabólico

Terapia Nutricional no Paciente Crítico - Estágios de Estresse Metabólico

Post do dia: 2017-10-02 14:49:14. Publicado 04/10/2017 por Prof. MsC José Aroldo Filho Categoria: Nutrição Clínica .

O Paciente crítico possui alterações metabólicas e fisiológicas em múltiplos sistemas como mecanismos de proteção. Este paciente possui risco aumentado de morbimortalidade, principalmente se associado à desnutrição, logo, entender as alterações fisiológicas e as adaptações metabólicas dos pacientes sob estresse, auxiliando na definição do suporte nutricional adequado, possibilitando a melhora nos resultados dos pacientes criticamente enfermos.

Didaticamente, subdividimos os estágios do estresse metabólico do paciente crítico em dois: fase ebb e fase flow.

 

Fase ebb

A fase ebb inicia imediatamente após o agravo. Nesta fase observamos que o paciente apresenta redução da perfusão tecidual, queda de pressão arterial e hipoxemia. Estes eventos promovem estímulo ao eixo hipotálamo-hipófise-adrenal, além de estímulo pancreático. A adrenal, em resposta à queda de pressão arterial e à hipoperfusão tecidual secreta catecolaminas (adrenalina e noradrenalina), além de cortisol, ao passo que o pâncreas recebe estímulo à secreção de glucagon. O objetivo é promover suporte cardiovascular, além da mobilização de reservas nutricionais para auxílio na manutenção deste suporte.

Outro ponto importante nesta fase é a produção de mediadores de processo inflamatório, principalmente as citocinas pró-inflamatórias  IL-1, IL-6 e TNF-α, que possuem papel crucial na resposta ao estresse, promovendo em especial alterações no metabolismo de macronutrientes.

Entretanto, nesta fase, já observamos importantes disruptores de microbiota no paciente critico: hiperglicemia e distúrbios hidroeletrolíticos, que diminuem a eliminação de patógenos por promover dismotilidade intestinal; a hipoperfusão intestinal e a quebra de barreira mucosa que, em virtude da inflamação mucosa pode promover translocação bacteriana para órgãos-chave como pulmão; o aumento das catecolaminas e citocinas pró-inflamatórias que promovem crescimento seletivo de patógenos potenciais como Pseudomonas, além de promover virulência; e a redução da camada de muco que potencializa a translocação bacteriana via mesentério.

Por isso, o estado crítico prejudica o equilíbrio entre epitélio intestinal e microbioma, aumentando o risco de sepse e de disfunção de múltiplos órgãos e sistemas.

 

Fase flow

A fase flow inicia após a compensação do evento inicial, entretanto é dependente da gravidade do distúrbio. O paciente apresenta intenso hipercatabolismo. A intensa perda de massa magra promove redução da atividade sistema imunológico, prejudica o reparo tecidual e é a principal causa nutricional de aumento da mortalidade do paciente crítico. Deste modo, o adequado fornecimento protéico, além de atender às demandas metabólicas do paciente, de reverter o balanço nitrogenado negativo e reduzir o catabolismo muscular, auxilia na manutenção da integridade da barreira mucosa.

Por isso, tão breve quanto possível, nutrir precocemente o paciente crítico, fornecendo proteínas em quantidade adequadas seria mais importante na fase flow do que calorias totais.

 

A importância da Nutrição Enteral (NE) precoce em pacientes adultos graves para manutenção do microbioma

A NE precoce promove manutenção da integridade funcional do intestino, pois além de manter a barreira mucosa, estimula fluxo sanguíneo entérico, promove liberação de agentes endógenos tróficos (CCK, gastrina, bombesina, sais biliares) e aumenta atividade imunológica do tecido linfoide associado ao intestino (GALT) e à mucosa (MALT), além de proteção de órgãos-chave que seriam sítios de adesão de bactérias que poderiam translocar de intestino, como pulmões e fígado.

Devemos observar que o microbioma deve ser um alvo terapêutico chave no paciente crítico e que novos insights sobre a fisiopatologia subjacente ao paciente crítico podem auxiliar em desenvolvimento de recomendações inovadoras e direcionadas ao microbioma, melhorando os resultados agudos e crônicos do paciente crítico.


Posts Relacionados

Solicitação de Exames Laboratoriais na Prática Clínica do Nutricionista

Solicitação de Exames Laboratoriais na Prática Clínica do Nutricionista

Solicitação de Exames Laboratoriais na Prática Clínica do Nutricionista

→ Leia mais...
Consultoria e Assessoria em Nutrição nos Serviços de Alimentação: Por que investir nessas áreas?

Consultoria e Assessoria em Nutrição nos Serviços de Alimentação: Por que investir nessas áreas?

O crescente consumo de refeições realizadas fora do ambiente domiciliar atrelada &agr

→ Leia mais...
Obesidade na Síndrome de Down e a Importância do Papel do Nutricionista

Obesidade na Síndrome de Down e a Importância do Papel do Nutricionista

Uma alimentação saudável é primordial para saúde de qualquer pes

→ Leia mais...
Prof. MsC José Aroldo Filho

Prof. MsC José Aroldo Filho

Diretor – NutMed Atualização e Preparatório Mestre em Fisiopatologia Clínica e Experimental - UERJ Especialista em Nutrição Clínica e em Fitoterapia - ASBRAN Pós graduado em Medicina Ortomolecular - UVA Nutricionista militar - PMERJ Ex-Professor Auxiliar de Nutrição Clínica do Instituto de Nutrição - UERJ e USU Professor do Programa de Pós-Graduação em Terapia Nutricional do Instituto de Nutrição - UERJ, UGF e UniRedentor Ex Prof Militar de Nutrição - Marinha do Brasil Ex Supervisor de Pesquisa de Campo do Departamento de Epidemiologia do Instituto de Medicina Social – UERJ email: nutmed@nutmed.com.br

→ Veja o Perfil Completo